top of page

Folclore Brasileiro

DIVERSIDADE CULTURAL DO BRASIL

 

As manifestações populares tradicionais, representadas através das danças e músicas folclóricas, são mantidas pela tradição e transformadas pela dinâmica cultural. Através de sua pluralidade cultural representam a fé, a religião, a vida cotidiana, as diferenças étnicas, a relação do sagrado-profano e, acima de tudo, a identidade cultural do povo no qual está inserida.

 

No Brasil, a diversidade cultural extrapola fronteiras geográficas, desta forma uma mesma manifestação pode ser encontrada em diversas regiões brasileiras, porém, ser representada em diferentes épocas do ano com variações locais quanto às suas expressões coreográficas, rítmicas e funcionalidade; ou seja, as razões culturais que contribuíram para que se tornassem tradicionais e ainda praticadas pela comunidade em questão.

 

Norte

 

A população nortista recebeu grande influência das três raças formadoras de nossa etnia, com destaque para o índio. As tradições portuguesas, indígenas, negras e nordestinas miscigenaram-se na região norte, criando uma cultura riquíssima, onde as celebrações populares tradicionais tomam grande significado. A fauna e a flora amazônica são uma fonte inspiradora inesgotável para esta cultura.

 

Uma das maiores características das danças do Norte do Brasil é a sensualidade do entrelaçamento dos pares, envolvidos com músicas de ritmos quentes e o predomínio das percussões, instrumentos de sopro e, ocasionalmente, instrumentos de corda.

 

A difícil realidade de sobrepujar os obstáculos e desafios da floresta faz dos habitantes da Amazônia um povo vitorioso, que reflete nas suas festas, danças, lendas e mitos toda a alegria e felicidade de viver em harmonia com a floresta.

 

Nordeste

 

O Brasil nasceu no Nordeste. O Sol estabelece o ritmo de vida do nordestino, seja para o bem, seja para o mal. Região de grandes contrastes, teve na aproximação do índio e do negro escravizados com o branco português conquistador, a primeira miscigenação do que seria futuramente o povo brasileiro. Franceses e holandeses também contribuíram para formar o rosto da população nordestina, constituída atualmente, em sua maioria, pelos mestiços. Por ter sido a primeira zona de ocupação do Brasil, o Nordeste, essencialmente agrário, teve grande influência das tradições africanas, que compuseram a massa de trabalhadores escravos nos campos agrícolas. A Bahia ainda guarda essa herança, sendo o estado com a maior contingência de população negra do Brasil, onde se observa profunda relação da cultura africana com os seus festejos e danças. Atualmente focos de diversos programas de resgate e preservação das culturas locais, com ênfase nas grandes festas carnavalescas e juninas, consideradas as maiores do Brasil em participação popular.

 

A maior característica das danças do Nordeste é a alegria que enaltece a sua cultura, enchendo de sons as festas e danças da mais vibrante região brasileira. Peculiares da região também são as festas e ritos religiosos, onde se destaca o candomblé. As danças religiosas são executadas com movimentos exóticos de braços e pernas, conforme cada Orixá. Através desse ritual, sua prática se perpetua e se espalha por todo o Brasil, de forma a estar associado também aos cortejos do ciclo carnavalesco, como afoxés e maracatus, enriquecendo e fortalecendo, dessa forma as festas afro-brasileiras e o folclore nacional.

 

Centro-Oeste

 

Região localizada no coração do Brasil, é a única das cinco que não apresenta ligação com o mar, o que não lhe impede de ter uma grande diversidade de solos e vegetação.

 

A criação de parques nacionais na região é uma tentativa de preservar a beleza e a riqueza dos ambientes característicos contra o avanço da exploração humana. O Parque Nacional do Xingu, por exemplo, é uma das maiores reservas indígenas do Brasil, abrigando diversos grupos que preservam seus hábitos e suas culturas.

 

A identidade do povo do Centro-Oeste é formada pela convergência de povos de outras áreas do Brasil, que juntamente com os índios nativos, deram origem aos mestiços, atualmente a maioria da população. Figura típica local, o pantaneiro permaneceu tendo pouco contato com os moradores de centros urbanos, o que o dotou de aspectos peculiares no seu modo de viver.

 

A proximidade com o Paraguai e a Bolívia, trouxe grandes influências nas festas, danças e músicas típicas regionais. A maior característica das danças do Centro-Oeste do Brasil é a miscigenação das culturas, dentre as quais destacam-se a forte influência espanhola, presente principalmente no folguedo da cavalhada e em danças que apresentam palmeados e sapateados, mesclados com a cultura indígena local. Entretanto, a região também foi palco de grandes fluxos imigratórios de brasileiros das diversas partes do país, incorporando à identidade local suas culturas e seus costumes.

 

Sudeste

 

Considerado o centro econômico do Brasil, o sudeste é a região mais populosa do país. A descoberta de jazidas de metais nobres no final do século XVII provocou intenso fluxo migratório para a região, especialmente bandeirantes paulistas, escravos africanos e aventureiros portugueses.

 

Instalados basicamente em São Paulo, grande quantia de imigrantes japoneses, italianos, árabes, libaneses e judeus, entre tantos outros, vieram para a região, deixando marcas e histórias e fazendo da cidade de São Paulo a mais cosmopolita do Brasil.

 

As festas e as tradições culturais traduzem, de forma comemorativa, a imensa riqueza cultural da região, revelando um povo miscigenado. As comemorações típicas e de imenso valor religioso, em Minas Gerais, são um legado vivo da influência católica no período colonial. No Espírito Santo, os festejos aos santos de devoção recebem intenso apelo popular. No Rio de Janeiro, e atualmente em São Paulo, desponta o carnaval, a maior festa profana e popular do mundo, com os deslumbrantes desfiles das escolas de samba, imagem que é admirada e exportada mundialmente.

 

Envolvidas por contrastes, as danças e folguedos do Sudeste têm como uma de suas características as homenagens prestadas aos santos de devoção, nas suas grandes celebrações religiosas, o que demonstra o grande fervor do povo desta região.

 

Sul

 

A Região Sul é uma das cinco grandes regiões em que é dividido o Brasil e compreende os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. É a menor das regiões brasileiras e faz parte da região geoeconômica Centro-Sul. É um grande polo turístico, econômico e cultural, abrangendo grande influência européia, principalmente de origem italiana e germânica. Faz fronteiras com o Uruguai ao sul, com a Argentina e com o Paraguai ao oeste, com a Região Centro-Oeste e com a Região Sudeste do Brasil ao norte e com o Oceano Atlântico ao leste.

 

Sua história é marcada pela grande imigração européia, pela Guerra dos Farrapos, também chamada de Revolução Farroupilha e mais recentemente pela Revolução Federalista.

 

A cultura da Região Sul do Brasil é muito rica, justamente por ter recebido influência de diversas colônias de imigrantes, como os alemães, os italianos, os poloneses, os ucranianos, os africanos, entre outras. Os colonizadores foram os primeiros a chegar na região, anteriormente habitada pelos povos ameríndios. As principais manifestações estão na culinária, na literatura, na música e na dança. Entre as manifestações folclóricas da região sul estão:

 

Religiosas: Festa de Nossa Senhora da Luz (Curitiba-PR), a Procissão de Santa Catarina (padroeira do estado de Santa Catarina) e a Festa de Navegantes (Porto Alegre-RS).

 

Populares: München Fest de Ponta Grossa (Ponta Grossa-PR), Oktoberfest (Blumenau-SC), Semana Farroupilha (Rio Grande do Sul).

 

O RIO GRANDE DO SUL

 

O Rio Grande do Sul apresenta uma rica diversidade cultural. De uma forma sucinta, pode-se concluir que a cultura do estado tem duas vertentes: a gaúcha propriamente dita, com raízes nos antigos gaúchos que habitavam os pampas; a outra vertente é a cultura trazida pela colonização européia, efetuada por colonos portugueses, espanhóis e imigrantes alemães, italianos e africanos.

 

A primeira é marcada pela vida no campo e pela criação bovina. A cultura gaúcha nasceu na fronteira entre a Argentina, o Uruguai e o Sul do Brasil. Os gaúchos viviam em uma sociedade nômade, baseada na pecuária. Mais tarde, com o estabelecimento das fazendas de gado, eles acabaram por se estabelecer em grandes estâncias espalhadas pelos pampas. O gaúcho era mestiço de índio, português e espanhol, e a sua cultura foi bastante influenciada pela cultura dos índios guaranis, charruas e pelos colonos hispânicos.

 

No século XIX, o Rio Grande do Sul começou a ser colonizado por imigrantes europeus e no século XVIII por imigrantes africanos,que vieram trazidos como escravos para trabalhar na produção de Trigo e posteriormente no Ciclo do Charque. Estes imigrantes deixaram suas marcas e influências na vida, no cotidiano e na cultura do povo Riograndense.

 

Partiu então desta formação miscigenada, a cultura do Rio Grande do Sul, que é uma misto de danças, músicas, lendas, contos e sincretismo popular.

bottom of page